domingo, 14 de junho de 2015

Philosophy of Economics

In “Philosophy of Economics (Stanford Encyclopedia of Philosophy)”:

“Philosophy of Economics” consists of inquiries concerning (a) rational choice, (b) the appraisal of economic outcomes, institutions and processes, and (c) the ontology of economic phenomena and the possibilities of acquiring knowledge of them.

The frontiers between economics and philosophy concerned with methodology, rationality, ethics and normative social and political philosophy are buzzing with activity. This activity is diverse and concerned with very different questions. Although many of these are related, philosophy of economics is not a single unified enterprise. It is a collection of separate inquiries linked to one another by connections among the questions and by the dominating influence of mainstream economic models and techniques.

Refs:

http://plato.stanford.edu/entries/economics/

sábado, 28 de fevereiro de 2015

You got hacked

In “CNNMoney.com”:

Companies keep getting hacked. And that's music to the ears of the executives and investors in cybersecurity companies.

February has been a phenomenal month for the overall stock market. The S&P 500 is up about 6%. But companies that help mitigate the damage from major attacks have done even better.

There is a relatively new exchange-traded fund for cybersecurity companies. The ticker symbol, appropriately, is HACK (HACK). It has surged nearly 17% in February.

The massive data breach at health insurer Anthem (ANTM) earlier this month is one reason why the stocks have done so well.

Related: Insurance giant Anthem hit by one of the largest data breaches ever

The attack reminded investors of how important it is for companies to protect themselves, especially in the wake of Sony (SNE), Home Depot (HD) and Target (TGT), just to name a few of the prominent companies that have been hacked in the past year and a half.

hack screen bull

The White House cybersecurity summit held in California a few weeks ago also helped the sector.

President Obama and Apple (AAPL, Tech30) CEO Tim Cook both stressed the need for companies and governments to do more to protect businesses and consumers from attacks while also safeguarding their privacy.

Related: The worst hacks in corporate history

Cybersecurity stocks aren't just rallying due to headlines. All these hacks have legitimately boosted their business. Several leading companies in the HACK ETF reported stellar results this month.

FireEye (FEYE), which owns security consulting firm Mandiant, said that its fourth quarter revenues surged 150% from a year ago. Mandiant was hired by Anthem and Sony to help clean up their cyber mess. Shares are up 34% this month.

CyberArk (CYBR), a company that went public last year, reported a quarterly profit that blew away estimates. The stock has gained nearly 90% in February.

And on Thursday, Splunk (SPLK) and Infoblox (BLOX) both impressed Wall Street with their latest earnings. Both stocks are up about 30% this month.

Related: Anthem hacked, Wall Street shrugs

These four companies are among the top ten holdings in the HACK ETF.

Another big cybersecurity company in the ETF, Palo Alto Networks, is due to report its earnings next week. The stock is near an all-time high and analysts are forecasting a 45% jump in sales and 70% surge in earnings per share.

Another bubble or the Next Big Thing in tech? So can these stocks continue to rally? Investors definitely need to be careful. FireEye, for example, is not profitable. Infoblox trades for about 100 times earnings estimates for this year, and that makes it among the cheaper stocks in the group!

Palo Alto trades at nearly 200 times this year's earnings estimates. CyberArk has a price-to-earnings ratio of more than 200 while Splunk's valuation is north of 600 times profit forecasts.

Related: Super-sneaky malware found in companies worldwide

The last time that triple-digit valuations were in vogue was when the Nasdaq topped 5,000 back in March 2000. That didn't end well.

And yet here we are again. The Nasdaq about to end February with the 5K level once more in sight.

Goldman CEO on hacking: 'Certainty is unavailable'

Goldman CEO on hacking: 'Certainty is unavailable'

Still, as crazy expensive as all these stocks are, they could head higher for a long time.

It pays to be paranoid. It's hard to imagine that companies are going to be able to stop cyberattacks anytime soon. And what most of these companies do best is to help limit the damage from hacks.

In an interview with CNNMoney earlier this month, CyberArk CEO Udi Mokady said that all companies have to assume they will be infected at some point. It's inevitable.

Mokady added that corporate chief security officers have to be paranoid. If they're not, they'll likely find themselves out of a job.

In other words, cybersecurity companies are going to remain extremely busy. And their revenues and profits should keep climbing.

 

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

"Grécia ganhou nos últimos dias o respeito dos cidadãos europeus"

Economistas assinam manifesto de apoio à Grécia

In “Jornal SOL”:

Economistas assinam manifesto de apoio à Grécia

Um grupo de 300 economistas de instituições como Cambridge, Columbia, a Universidade Complutense (Madrid) ou a Escola Superior de Estudos Sociais (Paris) assinou um manifesto contundente contra as políticas e as soluções empregues pela UE na Grécia. O documento, baptizado Estamos com a Grécia e com a Europa, começa com um apelo às autoridades europeias que negoceiem com “boa fé” com aquele estado-membro e a “respeitar a decisão do povo grego de escolher outra via” para solucionar a  crise da dívida do país.

Personalidades como Stephany Griffith-Jones, conceituada especialista da Universidade de Columbia, autora de várias obras sobre este tipo de problemas – entre as quais uma sobre a crise das dívidas soberanas na América Latina nos anos 80, cujas soluções levaram a resultados muito semelhantes aos da Grécia – ou o francês Jacques Sapir, defensor da “desglobalização” e perito na economia russa, assinam o documento.

O manifesto dá razão ao governo grego, pode ler-se, “porque as políticas europeias aplicadas até agora são um fiasco total e não trouxeram nem recuperação económica, nem estabilidade financeira, nem empregos, nem sequer investimento estrangeiro directo”, contrariando, por isso, todas as medidas dos pacotes de auxílio. E aponta soluções no plano imediato, como um “aumento do salário mínimo, restauração do  emprego e medidas que permitam desde logo restaurar serviços básicos como a saúde e a educação”.

A continuarem as tentativas de solução aplicadas até agora, defendem os economistas, a dívida, de tão insustentável, “nunca será reembolsada aconteça o que acontecer” e a perspectiva da UE sobre a Grécia representa um “fracasso moral, político e económico do projecto europeu”. O manifesto antecede uma das reuniões mais importantes deste périplo inicial por vários países europeus do primeiro-ministro Alexis Tsipras e do ministro das finanças Yanis Varoufakis, o encontro de ministros das finanças da Zona Euro no próximo dia 11 em Bruxelas. Várias cidades europeias já se mobilizam para manifestações de apoio, a começar por Barcelona, que hoje se mobiliza em frente à sede local da Comissão Europeia. ricardo.nabais@sol.pt

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Falling oil prices: How long will it last?

In “Los Angeles Times”:

Filling up at the gas station has been a much more pleasant experience for Americans since last fall. Regular gas is now less than $2 a gallon in many states, down from around $3.30 just a year ago.

But how long will that last? It’s just one of many questions stemming from the extraordinary drop in crude oil prices -- a development that has boosted consumer confidence, hurt once-booming energy states and presented new opportunities -- and challenges -- for the U.S. and global economy.

Why did oil prices fall so much, so fast?

Oil price drop threatens to hit Russia, Iran harder than sanctions

Oil price drop threatens to hit Russia, Iran harder than sanctions

A confluence of factors has contributed to the more than 50% slide in oil prices since September. The biggest is the steady rise in world petroleum supplies, mainly because of the shale-oil revolution in the United States. Thanks to hydraulic fracturing, or fracking, and other drilling techniques, the United States has accounted for more than 80% of global crude production growth in the last five years. More recently, a spike in oil output in Iraq and Libya has further boosted capacity.

At the same time, there are signs of softening demand. Economies in Europe and Japan have been stagnant, and the Chinese economy, the biggest driver of global oil demand, is slowing down. The strong dollar also has helped pushed down oil prices.

How long will it last?

Those low prices at the pump may be short-lived because the cost of crude is likely to start rebounding in the second half of this year. That’s based on predictions of future supply and demand, including the fact that low prices will stimulate greater use and therefore lead to an increase in demand. Oil futures lately have been trading at about $45 per barrel, compared with an average $100 in the first half of last year. By this time next year, Moody’s Analytics estimates that oil will bounce back up to $80 a barrel.

But there are other factors that could come into play. The fall in crude prices has started to slow drilling and exploration projects, which no longer look as profitable amid the falling cost of oil. And while theoretically that should lower supply and nudge prices back up, it won’t happen right away. In some cases, oil producers may be reluctant to turn off the spigot, even if their profits are falling, because there are hefty costs to restarting operations. Some may tough it out, betting that prices will soon rise again to a level where they can at least break even.

All of which is to say that global supplies could keep growing and outpacing any pick-up in demand, prolonging an oil glut and keeping prices depressed.

Who benefits the most from lower energy costs?

The United States will be one of the biggest winners. Car-related businesses, for example, will see more sales as people drive more, buy bigger vehicles and require more services. On average, an American household is projected to save $750 on gasoline costs this year compared with 2014, according to the Energy Department. States in the Southeast will benefit comparatively more as households in that region tend to spend a bigger share of their after-tax income on fuel.

Countries that import a lot of oil also stand to save hundreds of billions of dollars, including European nations, Japan, South Korea and China. But there are caveats. Heavy taxes in Europe and government subsidies in China will limit the benefits to consumers in those countries. Meanwhile, the savings to Japan will be partially offset by its weak currency. Like other commodities, oil is denominated in dollars, so Japan will have to pay that much more yen for every $1 of crude that it buys in international markets.

Whom will it hurt the most?

Oil-producing countries such as Russia, Iran, Venezuela and Nigeria are already straining because they rely heavily on oil for government revenues. Other OPEC-member countries will feel a pinch too, but at $45 a barrel or even lower, Saudi Arabia, OPEC’s dominant and lowest-cost producer, can still make a solid profit.

While big oil companies will be cushioned somewhat by gains in their petroleum-refining business, smaller, less-efficient energy firms will face a revenue and credit squeeze that could drive some out of business. Significantly, a protracted oil price slump would take a toll on the U.S. shale industry, concentrated in Texas and North Dakota.

How will it affect economic and job growth in the United States?

On net, the U.S. economy could get as much as a big 0.5 percentage point lift from the steep oil price decline, primarily from billions of dollars freed up for spending by consumers. Many companies, too, will enjoy a bump in profits -- more than 50% of in-house company economists said the drop in oil prices already had a positive effect on their firms, according to a January survey by the National Assn. for Business Economics.

Job growth also will get a boost, although it won’t be evenly distributed. If oil prices remain low for an extended period, it could even drag some energy-dependent states into recession. While an oil-related boom-turned-bust in North Dakota won’t mean much for the U.S. economy, a downturn in Texas is another matter. The Lone Star State has added some 1.3 million new jobs since the Great Recession, or about 14% of the total gains in the nation, and many undoubtedly were linked to the oil boom.

Will it affect inflation or interest rates?

Spending for energy accounts for a relatively large share of American household expenses. And plunging gas prices will add downward pressure on the price of other consumer goods. Federal Reserve officials have repeatedly described the decline in oil prices as “transitory,” suggesting that what’s happened in the energy market won’t affect inflation expectations or change the course of monetary policy.

But financial analysts are a little more wary about the situation. Falling oil prices have triggered more volatility in stock markets, and there’s heightened risk that inflation will be too low. If energy prices remain depressed, that could prompt the Fed to delay its plan to start hiking interest rates.

Which country will call the shots in determining oil prices?

Much has been said about the diminished power of OPEC, the oil cartel dominated by Saudi Arabia, the long-time energy kingpin. Now there’s another big kid on the block: The United States has once again become a “swing producer,” as energy expert Daniel Yergin calls the impact from America’s tremendous output of shale oil. Even so, the United States today can’t match the low-cost production of Saudi oil. And the kingdom’s decision to keep pumping out large supplies -- ostensibly to protect market share and put pressure on neighbors as well as rivals in America -- is certain to test the financial mettle of U.S. producers as well as their ability to harness their drilling technologies more efficiently and effectively.   don.lee@latimes.com

Ver:  Indústria petrolífera: as lições do passado e os desafios do futuro

sábado, 17 de janeiro de 2015

Franco suíço faz vítimas de Nova Iorque até à Nova Zelândia

In “Jornal de Negócios”:

Swiss Parliament Examines ‘Gold Franc’ Currency Today

As perdas elevadas registadas pelos investidores mundiais, após o "tsunami" provocado pelo Banco da Suíça está a colocar as corretoras mundiais em dificuldades. Uma instituição neozelandesa teve mesmo que fechar portas.

A Suíça chocou o mundo ao acabar com a relação da moeda suíça com o euro. A decisão já está a fazer vítimas. O anúncio levou o franco suíço a disparar face às maiores divisas mundiais e colocou corretoras desde os Estados Unidos até à Nova Zelândia em sérias dificuldades. Algumas foram mesmo obrigadas a suspender a sua actividade.

Ao contrário do que é habitual no mercado cambial, em que as oscilações não são demasiado elevadas, a sessão de quinta-feira colocou os investidores mundiais em alerta, após a decisão do banco central suíço para deixar cair o limite que estipulava um câmbio mínimo de 1,20 francos suíços por euro. Este anúncio totalmente inesperado provocou uma escalada histórica da moeda suíça que disparou um máximo de 29%.

Este movimento brusco provocou perdas elevadas a muitos investidores mundiais, uma situação que coloca em risco a sustentabilidade financeira das próprias corretoras. É o caso de uma corretora neozelandesa, que foi obrigada a fechar portas após as variações acentuadas da última sessão.

A Global Brokers, da Nova Zelândia, informou que as perdas criadas pelo disparo do franco suíço forçaram a instituição a encerrar a sua actividade. Ao contrário de outros investimentos, a aposta no mercado cambial é altamente alavancada, um movimento que pretende maximizar ganhos. Mas, caso a evolução seja desfavorável, o potencial de perdas também é muito elevado.

Mas, os problemas, ainda que sem consequências tão dramáticas, estendem-se a outras corretoras mundiais. É o caso da FXCM, que adiantou que os seus clientes ficaram a dever um total de 225 milhões de dólares nas suas contas depois de ter sido anunciada a medida do banco central suíço. Já a IG Group Holdings estima um impacto negativo de 30 milhões de libras e a Swissquote Group Holdings de 25 milhões de francos.

A moeda suíça subiu mais de 15% contra todas as divisas mundiais seguidas pela Bloomberg, um movimento que apanhou os investidores desprevenidos. "Os clientes registaram perdas significativas", adiantou a FXCM num comunicado divulgado ontem.

Acções suíças prolongam queda, franco corrige

Depois de afundar mais de 10% na última sessão, na maior queda desde 1988, a bolsa da Suíça está a negociar novamente em queda. O índice SMI cai 4,4%, arrastado pelo mau comportamento das empresas exportadoras.

Cotadas como a Swatch, Watchmakers ou a Financiere Richemont, que geram a maior parte das suas receitas fora do país, estão a ser castigadas, perante a expectativa que se tornem menos competitivas e percam negócio com a valorização do franco.

A decisão do banco suíço está a provocar uma onda de críticas por parte destas empresas. Nick Hayek, o CEO da relojeira Swatch, afirmou que os efeitos desta decisão sobre a economia helvética serão tão devastadores como um "tsunami".

"Não tenho palavras. Jordan (Jordão) não é apenas o nome do presidente do banco central mas também de um rio e a decisão de hoje é um tsunami para a indústria exportadora e para o turismo e, no fim da linha, para todo o país", afirmou em comunicado, citado pelo The Guardian.

A moeda suíça está a corrigir após a escalada de quinta-feira. O franco suíço cai 4,4%, para 1,0184 por euro, depois de ter disparado para um máximo de 85,172 na sessão anterior.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Preço do petróleo novamente abaixo de 60 dólares

In “Expresso”:

   O preço do barril da variedade Brent negociada em Londres fechou a semana em 59,67 dólares. É a segunda vez, em termos de valores de fecho da sessão, que o preço regista valores abaixo de 60 dólares desde o segundo trimestre de 2009. O preço mais baixo de fecho registou-se a 18 de dezembro, quando o preço do barril de Brent desceu para 59,27 dólares.

Deste modo, mantem-se a tendência de descida dos preços do petróleo, apesar de uma subida para 61,69 dólares a 23 de dezembro. Desde a reunião da OPEP a 17 de novembro, quando o cartel exportador decidiu não diminuir o seu teto de produção até junho de 2015, que o preço do Brent já desceu 18%. Desde o pico do preço em junho, a quebra é de 48%.

A descida dos preços do barril de crude é atribuída em 60% ao excesso de oferta e em  20 a 35% ao recuo na procura devido ao abrandamento económico mundial, segundo os cálculos de Olivier Blanchard, o economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, num estudo em coautoria com Rabah Arezki publicado recentemente, intitulado "Seven Questions about the Recent Oil Price Slump".

Este nível de preços baixos, num horizonte retrospetivo até ao segundo trimestre de 2009, parece estar para ficar por uns tempos, atendendo à posição inflexível dos países do Golfo, que dominam o cartel da OPEP. A postura do cartel foi repetida, na semana passada, na 10ª Conferência Árabe sobre Energia que se realizou durante três dias no Abu Dhabi. Os ministros do Golfo apontaram o dedo aos produtores "irresponsáveis" fora do cartel e reafirmaram que não tomarão uma decisão unilateral de descida do seu teto de produção até à reunião de 5 de junho de 2015.

Segundo um relatório do Departamento de Energia, os stocks de petróleo dos Estados Unidos aumentaram 7,3 milhões de barris na semana que fechou a 19 de dezembro, parecendo ilustrar a acusação dos árabes do cartel.

Impactos negativos nos exportadores e produtores de crude
Segundo o estudo de Blanchard, o limiar dos 60 dólares no preço da variedade norte-americana WTI (West Texas Intermediate) é ponto de equilíbrio (ou seja, o preço a partir do qual vale a pena extrair) para o conjunto da produção de petróleo a partir do xisto betuminoso nos Estados Unidos (o que se tem chamado de revolução do shale) e para a produção de outras variedades de petróleo não convencional, como o extraído nas areias betuminosas. Alguns campos petrolíferos a partir de xisto nos EUA, como Bakken, Eagle Ford and Permian, aguentam preços inferiores. O preço do barril WTI registou 55,21 dólares no valor de fecho de sexta-feira. É um preço inferior ao do barril de Brent.

A descida do preço do crude tem tido particular relevância em algumas divisas de países exportadores de petróleo, citando-se os casos da Venezuela, Rússia, Noruega e Nigéria. Em relação ao final de 2013, o bolívar venezuelano desvalorizou 172% no mercado paralelo, o rublo russo cerca de 50%, o naira nigeriano 15% e a coroa norueguesa 8,5%. Integram o "clube" das cinco maiores desvalorizações em 2014, juntamente com o peso argentino (mais de 18%).

O estudo de Blanchard refere, por exemplo, que os rendimentos do petróleo representam 50% do orçamento federal russo e 75% do orçamento angolano. O preço do barril para o equilíbrio orçamental em 2015 é de menos de 60 dólares no Kuwait e no Qatar, de 60 dólares para a Venezuela e Nigéria, de 80 dólares para Angola e de mais de 100 para a Rússia.

domingo, 21 de dezembro de 2014

Where Are We with Market Valuations?

In “GuruFocus.com”:

Where Are We with Market Valuations?

As of 2014-12-20 (updates daily):
The Stock Market is Significantly Overvalued. Based on historical ratio of total market cap over GDP (currently at 127.7%), it is likely to return 0.6% a year from this level of valuation, including dividends.

 

What returns can we expect from the stock market?

As of today, the Total Market Index is at $ 21727.5 billion, which is about 127.7% of the last reported GDP. The US stock market is positioned for an average annualized return of 0.6%, estimated from the historical valuations of the stock market. This includes the returns from the dividends, currently yielding at 2%.

As pointed by Warren Buffett, the percentage of total market cap (TMC) relative to the US GNP is “probably the best single measure of where valuations stand at any given moment.”

Over the long term, the returns from stock market are determined by these factors:
1. Interest rate
Interest rates “act on financial valuations the way gravity acts on matter: The higher the rate, the greater the downward pull. That's because the rates of return that investors need from any kind of investment are directly tied to the risk-free rate that they can earn from government securities. So if the government rate rises, the prices of all other investments must adjust downward, to a level that brings their expected rates of return into line. Conversely, if government interest rates fall, the move pushes the prices of all other investments upward.”—Warren Buffett
2. Long Term Growth of Corporate Profitability
Over the long term, corporate profitability reverts to its long term-trend, which is around 6%. During recessions, corporate profit margins shrink, and during economic growth periods, corporate profit margins expand. However, long-term growth of corporate profitability is close to long-term economic growth. The size of the US economy is measured by Gross National Product (GNP). Although GNP is different from GDP (gross domestic product), the two numbers have always been within 1% of each other. For the purpose of calculation, GDP is used here. The U.S. GDP since 1970 is represented by the green line in the first of the three charts to the right.
3. Market Valuations
Over the long run, stock market valuation reverts to its mean. A higher current valuation certainly correlates with lower long-term returns in the future. On the other hand, a lower current valuation level correlates with a higher long-term return. The total market valuation is measured by the ratio of total market cap (TMC) to GNP -- the equation representing Warren Buffett's "best single measure". This ratio since 1970 is shown in the second chart to the right. Gurufocus.com calculates and updates this ratio daily. As of 12/20/2014, this ratio is 127.7%.

We can see that, during the past four decades, the TMC/GNP ratio has varied within a very wide range. The lowest point was about 35% in the previous deep recession of 1982, while the highest point was 148% during the tech bubble in 2000. The market went from extremely undervalued in 1982 to extremely overvalued in 2000.

Based on these historical valuations, we have divided market valuation into five zones:

 

Ratio = Total Market Cap / GDP Valuation
Ratio < 50% Significantly Undervalued
50% < Ratio < 75% Modestly Undervalued
75% < Ratio < 90% Fair Valued
90% < Ratio < 115% Modestly Overvalued
Ratio > 115% Significantly Overvalued
Where are we today (12/20/2014)? Ratio = 127.7%, Significantly Overvalued

 

A quick refresher (Thanks to Greenbacked): GDP is “the total market value of goods and services produced within the borders of a country.” GNP is “is the total market value of goods and services produced by the residents of a country, even if they’re living abroad. So if a U.S. resident earns money from an investment overseas, that value would be included in GNP (but not GDP).” While the distinction between the two is important because American firms are increasing the amount of business they do internationally, the actual difference between GNP and GDP is minimal as this chart from the St Louis Fed demonstrates:
GDP vs. GNP
GDP in Q4 2012 stood at $15,851.2 billion. GNP at Q3 2012 (the last data point available) stood at $16,054.2 billion. For our present purposes, one substitutes equally as well for the other.

The Sources of Investment Returns

The returns of investing in an individual stock or in the entire stock market are determined by these three factors:
1. Business growth
If we look at a particular business, the value of the business is determined by how much money this business can make. The growth in the value of the business comes from the growth of the earnings of the business growth. This growth in the business value is reflected as the price appreciation of the company stock if the market recognizes the value, which it does, eventually.
If we look at the overall economy, the growth in the value of the entire stock market comes from the growth of corporate earnings. As we discussed above, over thelong term, corporate earnings grow as fast as the economy itself.
2. Dividends
Dividends are an important portion of the investment return. Dividends come from the cash earning of a business. Everything equal, a higher dividend payout ratio, in principle, should result in a lower growth rate. Therefore, if a company pays out dividends while still growing earnings, the dividend is an additional return for the shareholders besides the appreciation of the business value.
3. Change in the market valuation

Although the value of a business does not change overnight, its stock price often does. The market valuation is usually measured by the well-known ratios such as P/E, P/S, P/B etc. These ratios can be applied to individual businesses, as well as the overall market. The ratio Warren Buffett uses for market valuation, TMC/GNP, is equivalent to the P/S ratio of the economy.

What Returns Is the Market Likely to Deliver From This Level?

Putting all the three factors together, the return of an investment can be estimated by the following formula:
Investment Return (%) = Dividend Yield (%)+ Business Growth (%)+ Change of Valuation (%)

The first two items of the equation are straightforward. The third item can be calculated if we know the beginning and the ending market ratios of the time period (T) considered. If we assumed the beginning ratio is Rb, and the ending ratio is Re, then the contribution in the change of the valuation can be calculated from this:
(Re/Rb)(1/T)-1
The investment return is thus equal to:
Investment Return (%) = Dividend Yield (%) + Business Growth(%) + (Re/Rb)(1/T)-1
This equation is actually very close to what Dr. John Hussman uses to calculate market valuations. From this equation we can calculate the likely returns an investment in the stock market will generate over a given time period. In the calculation, the time period we used was 8 years, which is about the length of a full economic cycle. The calculated results are shown in the final chart to the right. The green line indicates the expected return if the market trends towards being undervalued (TMC/GNP=40%) over the next 8 years from current levels, the red line indicates the return if the market trends towards being overvalued (TMC/GNP=120%) over the next 8 years. The blue line indicates the return if the market trends towards being fair-valued (TMC/GNP=80%) over the next 8 years.

The thick bright yellow line in the bottom right chart is the actual annualized return of the stock market over 8 years. We use "Wilshire 5000 Full Cap Price Index" to do the actual return calculation. We can see the calculations largely predicted the trend in the returns of the stock market. The swing of the market’s returns is related to the change in interest rates.

It has been unfortunate for investors who entered the market after the late 1990s. Since that time, the market has nearly always been overvalued, only dropping to fairly valued since the declines that began in 2008. Since Oct. 2008, for the first time in 15 years, the market has been positioned for meaningful positive returns.

As of 12/20/2014, the stock market is likely to return 0.6% a year in the next 8 years.

Warren Buffett’s Market Calls

Based on these factors, Warren Buffett has made a few market calls in the past. In Nov. 1999, when the Dow was at 11,000, and just a few months before the burst of dotcom bubble, the stock market had gained 13% a year from 1981-1998. Warren Buffett said in a speech to friends and business leaders, “I'd like to argue that we can't come even remotely close to that 12.9... If you strip out the inflation component from this nominal return (which you would need to do however inflation fluctuates), that's 4% in real terms. And if 4% is wrong, I believe that the percentage is just as likely to be less as more.”
Two years after the Nov. 1999 article, when the Dow was down to 9,000, Mr. Buffett said, “I would expect now to see long-term returns run somewhat higher, in the neighborhood of 7% after costs.”
"Nine years have passed since the publication of the article of November 22, 1999, and it has been a wild and painful ride for most investors; the Dow climbed as high as 14,000 in October 2007 and retreated painfully back to 8,000 today." Warren Buffett again wrote in Oct. 2008: "Equities will almost certainly outperform cash over the next decade, probably by a substantial degree."

Ver também:

Historical Market Cap to GDP Chart – VectorGrader:

Market Capitalization to GDP

This indicator has been described by Warren Buffet as "probably the best single measure of where valuations stand at any given moment." It compares the total price of all publicly traded companies to GDP. This metric can also be thought of as an economy wide price to sales ratio.

The data here is from the St. Louis FRED. However, because the data is quarterly, we filled in the other months with the prior ratio adjusted for the change in stock prices.

Max 20 Yr 10 Yr 5 Yr

Historical Market Cap to GDP Chart Index Log Chart Source: Board of Governors of the Federal Reserve System and U.S. Bureau of Economic Analysis

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Estados precisam de 10% da riqueza mundial para não deixarem de pagar contas

In "Jornal de negócios online":

mundo_puzzle_not_altoNão é só na Europa que as necessidades de financiamento dos Estados atingem neste ano valores sem precedentes, num teste exigente à sobrevivência do euro. Lideradas pelo Japão, as maiores economias mundiais vão ter de ir buscar aos mercados montantes gigantescos para continuarem a funcionar sem rupturas.

 

As contas foram feitas pela agência Bloomberg e resultam num número astronómico: as maiores economias mundiais precisam de angariar 7,6 biliões de dólares (5,8 biliões de euros) para "tapar" os défices orçamentais de 2012 e refinanciar dívida que se vence.


Tendo em conta que o PIB mundial terá rondado 74,5 biliões de dólares, segundo dados ainda relativos a 2010, as necessidades de financiamento dos Estados ascenderão neste ano ao equivalente a quase 10% da riqueza mundial.


A lista é liderada pelo Japão, que tem a maior dívida pública do mundo desenvolvido, já muito próxima de 200% do PIB (boa parte detida por agentes nacionais), que tem de refinanciar mais de três biliões de dólares. Seguem-se de perto os Estados Unidos que, em ano de eleições presidenciais e ainda sem acordo no Congresso para travar o endividamento, terão de ir buscar aos mercados financeiros 2,8 biliões.


Numa "divisão" já mais baixa, mas igualmente expressiva, está Itália (428 mil milhões de dólares), França (367 mil milhões) e Alemanha (285 mil milhões). Ainda na Europa, mas já fora da Zona Euro, segue-se o Reino Unido, que terá de angariar nos mercados 165 mil milhões de dólares ao longo deste ano, valor próximo do exigido pelo Brasil (169 mil milhões).


China (121 mil milhões) e Índia (57 mil milhões de dólares) são, de longe, os Estados menos dependentes dos mercados – em boa medida, porque as respectivas funções sociais são consideravelmente mais modestas do que as assumidas pelos Estados europeus, nipónico e norte-americano.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

A queda da Zona Euro

In "Jornal de negócios online":

A crise na Zona Euro parece estar a atingir o seu auge: a Grécia à beira do incumprimento e uma inglória saída da união monetária, ao passo que Itália está prestes a perder o acesso ao mercado de financiamento. Mas os problemas da Zona Euro são muito mais profundos. São estruturais e penalizam severamente pelo menos quatro outras economias: Irlanda, Portugal, Chipre e Espanha.

Na última década, os PIIGS (Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha) eram os consumidores de primeiro e último recurso da Zona Euro, gastando mais do que obtinham de rendimentos e registando um défice de contas correntes cada vez maior. Ao mesmo tempo, os países do núcleo da Zona Euro (Alemanha, Holanda, Áustria e França) eram os produtores de primeiro e último recurso, gastando menos do que ganhavam e apresentando contas correntes crescentemente excedentárias.


Estes desequilíbrios externos foram também sustentados pela solidez do euro desde 2002 e pela divergência entre as taxas de câmbio reais e a competitividade dentro da Zona Euro. Os custos unitários do trabalho diminuíram na Alemanha e noutras regiões do núcleo da Zona Euro (porque os salários cresceram menos do que a produtividade), levando a uma depreciação em termos reais e a um aumento do superavit das contas correntes, ao mesmo tempo que se registava precisamente o contrário nos PIIGS e no Chipre, levando a uma apreciação em termos reais e a um aumento do défice das contas correntes. Na Irlanda e em Espanha, o nível das poupanças dos particulares caiu fortemente e a bolha no mercado imobiliário alimentou um consumo excessivo, ao passo que na Grécia, em Portugal, no Chipre e em Itália foram os excessivos défices orçamentais que exacerbaram os desequilíbrios externos.


A consequente acumulação de dívida privada e pública nos países deficitários deixou de ser controlável quando as bolhas imobiliárias estoiraram (Irlanda e Espanha) e quando os défices das contas correntes e os buracos orçamentais, ou ambos, se tornaram insustentáveis na periferia da Zona Euro. Além disso, os enormes défices das contas correntes dos países periféricos, impulsionados pelo consumo excessivo, fizeram-se acompanhar pela estagnação económica e pela perda de competitividade.


Então, o que nos resta agora?


A reflação [estimular a economia através do aumento do suprimento de moeda ou reduzindo taxas, é o oposto de deflação] simétrica é a melhor opção para restaurar a competitividade e o crescimento na periferia da Zona Euro, ao mesmo tempo que se levam a cabo as necessárias medidas de austeridade e reformas estruturais. Isto implica uma significativa flexibilização da política monetária por parte do BCE; provisão de apoio ilimitado de credor de último recurso a economias ilíquidas mas potencialmente solventes; uma forte depreciação do euro, o que poderá transformar os défices das contas correntes em excedentes; e estímulos orçamentais nos países do núcleo se a periferia for obrigada à austeridade.


Lamentavelmente, a Alemanha e o BCE opõem-se a esta opção, devido à perspectiva de uma dose temporária de inflação modestamente mais elevada nos países do núcleo da Zona Euro face à periferia.
O amargo medicamento que a Alemanha e o BCE querem impor à periferia – a segunda opção – é a deflação recessiva: austeridade orçamental; reformas estruturais visando impulsionar o crescimento da produtividade e reduzir os custos unitários do trabalho; e uma depreciação real, através do ajuste de preços, por oposição ao ajuste da taxa de câmbio nominal.


Os problemas com esta opção são imensos. A austeridade orçamental, se bem que necessária, significa uma recessão mais profunda no curto prazo. Mesmo as reformas estruturais reduzem a produção no curto prazo, porque é algo que exige que se despeçam trabalhadores, que se encerrem empresas que estão a dar prejuízos e que seja feita uma realocação gradual da mão-de-obra e do capital em novas indústrias emergentes. Assim, para evitar uma espiral de recessão ainda mais profunda, a periferia precisa de uma depreciação real para melhorar o seu défice externo. Mas mesmo que os preços e salários caiam 30% nos próximos anos, o valor real da dívida aumentará fortemente, agravando a insolvência dos governos e dos devedores privados.


Em suma, a periferia da Zona Euro está agora perante um paradoxo: aumentar excessivamente as poupanças ou demasiadamente depressa leva a uma nova recessão e torna as dívidas ainda mais insustentáveis. E esse paradoxo está agora a afectar também o "core" da Zona Euro.


Se os países periféricos continuarem enredados numa armadilha deflacionista de elevado endividamento, queda da produção, fraca competitividade e défices externos estruturais, acabarão por se sentir tentados por uma terceira opção: o "default" e a saída da Zona Euro. Isso permitir-lhes-ia revitalizar o crescimento económico e a competitividade, através da depreciação das novas moedas nacionais.


Evidentemente, um tal desmoronamento desordenado da Zona Euro constituiria um choque tão severo como o do colapso do Lehman Brothers em 2008, se não mesmo pior. Para o evitar, as economias do núcleo da Zona Euro terão de escolher a quarta e última opção: subornar a periferia para que se mantenham num estado de fraco crescimento, sem qualquer competitividade. Isso exigirá que aceitem sofrer perdas com uma significativa proporção da dívida pública e privada, bem como uma avultada transferência de dinheiro que impulsione os rendimentos da periferia, numa altura em que a sua produção estará estagnada.


De certa forma, é isso que Itália tem vindo a fazer há décadas: usar a ajuda das suas regiões do Norte para subsidiar as regiões mais pobres do Mezzogiorno. Mas essas transferências orçamentais permanentes são politicamente impossíveis na Zona Euro, onde os alemães são alemães e os gregos são gregos.


Isso significa também que a Alemanha e o BCE têm menos poder do que aquilo que pensam. Se não abandonarem o ajustamento assimétrico (deflação recessiva), que concentra todas as dores na periferia, e se não optarem por uma abordagem mais simétrica (austeridade e reformas estruturais na periferia, conjugadas com uma reflação em toda a Zona Euro), o incipiente derrube da união monetária irá acelerar à medida que os países da periferia forem entrando em incumprimento e abandonando a Zona Euro.


O recente caos na Grécia e em Itália pode ser o primeiro passo deste processo. Claramente, a Zona Euro não pode continuar a agir como tem feito até agora. Se a Zona Euro não caminhar no sentido de uma maior integração política, económica e orçamental (num caminho consistente com o restabelecimento do crescimento, competitividade e sustentabilidade da dívida no curto prazo, necessário para solucionar o problema da insustentabilidade da dívida e para reduzir os crónicos défices orçamentais e externos), a deflação recessiva irá certamente conduzir a um desmoronamento desordenado.


Sendo Itália demasiado grande para falir, demasiado grande para salvar e agora no ponto de não retorno, já começou o fim do jogo na Zona Euro. Primeiro virão as reestruturações sequenciais e coercivas da dívida e em seguida virão as saídas da união monetária, o que acabará por levar à desintegração da Zona Euro.

Project Syndicate, 2011.
www.project-syndicate.org
Tradução: Carla Pedro

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Estabilidade e instabilidade monetária no desenvolvimento da Crise de 1929

In "Jornal de negócios online":

A atual crise da dívida nos EUA e na Europa não se resolve sem uma política inflacionista. As políticas colbertistas da China e a não regulação dos pagamentos internacionais deixam antever esse caminho.

Os episódios de estabilidade e instabilidade monetária no desenvolvimento da Crise de 29 conduzem a um resultado importante: o mau sistema monetário expulsa o bom da prática internacional. Resultado que deve ser tido em conta na análise da situação atual.


Em Setembro de 1985, Estados Unidos, França, República Federal da Alemanha, Japão e Reino Unido assinaram o Acordo de Plaza, pelo qual, no interesse da estabilidade, o dólar iria desvalorizar-se 51%, relativamente ao iene, de 1985 a 1987. Em Fevereiro de 1987 foi a vez do Acordo do Louvre ser assinado por aqueles países e ainda o Canadá (G6), por forma a terminar com a desvalorização do dólar relativamente ao iene e ao marco. O objetivo continuou a ser a estabilidade do sistema de pagamentos internacionais. A entrada do Japão no período das "décadas perdidas", 1991-2000 e 2001-2010, e a criação do euro em Janeiro de 1999 levaram a um período de grande bonança no sistema de pagamentos internacional. Mas enquanto tivermos países com as suas próprias moedas os problemas de estabilidade e de bem-estar dos povos colocar-se-á sempre.


Nos primeiros anos da grande depressão de 1929, assistimos a uma divisão entre os que defendiam a todo o custo a estabilidade do valor das moedas e os que optaram pelo abandono dessa estabilidade. Os primeiros mantiveram-se fieis ao padrão-ouro, enquanto que os segundos optaram por desvalorizar, a sua moeda. O padrão-ouro pode ter sido responsável por um acentuar da gravidade da crise de 1929.


A Austrália, a primeira a abandonar o padrão-ouro em 1930, fez de imediato uma desvalorização de 40%. A Nova Zelândia e o Japão seguiram-se, em 1931 e até 1933 eram já 9 os países que haviam abandonado o padrão-ouro. Os EUA desvalorizam a sua moeda em 41% em 1934. Estas economias retomaram a recuperação económica em seguida às desvalorizações: permitiram a redução dos preços internacionais da produção desses países, as exportações aumentavam enquanto as importações diminuíam e o emprego aumentava em consequência.
E que se passava no grupo da estabilidade monetária? Os que se mantiveram fieis àquele padrão formaram o bloco-ouro em Julho de 1933. Para a França, a Bélgica, a Holanda, a Suíça e a Polónia o acordo de Paris de 8 de julho destinava-se a "impedir o caos monetário na Europa".


A primeira metade de 1933 não correu mal a este grupo em termos da recuperação económica. Sobretudo porque ganharam credibilidade em termos de estabilidade das taxas de câmbio, eliminado a especulação sobre as suas moedas. Na segunda metade as coisas começaram a correr mal: o comércio dentro do próprio grupo caía, chegando a cair 40% entre 1933 e 1934. Desemprego, crise bancária agravada e elevadas perdas de ouro ainda levaram a controles cambiais, mas em Março de 1935, a Bélgica e o Luxemburgo desvalorizam as suas moeda e saíram do bloco-ouro. Em Setembro de 1936, França, Holanda e Suíça aboliram o padrão-ouro e em Outubro, França e Itália desvalorizavam as suas moedas. O bloco da estabilidade monetária via o seu fim sem glória ou proveito, afundado em desemprego e com reservas internacionais debilitadas.


Em França, o país principal do bloco, a esquerda não era favorável à desvalorização da moeda apesar da perda de competitividade que resultava da valorização da sua moeda. A ideia de desvalorização apenas surge em reação ao anunciado controlo cambial protagonizado pela Frente Popular e aos aumentos salariais e benefícios sociais dos acordos de Matignon de 7 de junho: aumento de salários de 7% a 15% e semana de trabalho reduzida a 40 horas, para além de outros benefícios, como as duas semanas de férias pagas. Política por demais incoerente: aumentar custos quando os preços internacionais em dólares não paravam de subir! O bloco da estabilidade monetária via o seu fim sem glória afundado em desemprego e com reservas internacionais debilitadas.


Qual a moral desta história? A estabilidade monetária de curto prazo pode afetar negativamente o bem-estar, através de uma espécie de lei de Gresham aplicada a sistemas monetários: o mau sistema expulsa o bom da prática internacional. Nos dois próximos artigos falaremos da ação dos mecanismos naturais e de uma possível guerra de moedas.

Nota: A segunda parte deste artigo será publicada na próxima edição do Jornal de negócios, dia 2 de Novembro. Este artigo foi redigido segundo o novo Acordo Ortográfico.
Autor:  João Sousa Andrade. Professor de economia catedrático na Universidade de Coimbra

 

Segunda parte:

In "Jornal de negócios online":

Nas populações de seres vivos existem mecanismos naturais, reguladores, que permitem a sua reprodução. A influência externa afeta a auto-regulação. Nos grupos humanos, os mecanismos naturais são muitas vezes substituídos pela intervenção consciente e intencional dos indivíduos e das instituições.


A intervenção de política pode ser ilustrada pela situação dos EUA na década de oitenta do século XX. Na primeira metade dos anos oitenta dá-se uma subida da taxa de câmbio do dólar. O presidente do Fed, Paul Volcker, conseguiu reduzir a elevada inflação, mas provocou uma subida sustentada do dólar. O resultado de uma inflação controlada pela subida da taxa de juro seria a subida do dólar que provocaria a redução das exportações e o aumento das importações. O aumento do défice externo conduziria a um crescimento fraco ou negativo. Os EUA, como pagam a outros com a sua moeda, aumentariam os créditos bancários para pagar as suas importações. Com ausência de crescimento e excesso de moeda o dólar desvalorizar-se-ia. Mas este processo seria muito lento com o desemprego a aumentar progressivamente. O Acordo do Plaza (setembro de 1985) entre as principais economias permitiu que por ação concertada de vendas de dólares este desvalorizasse face ao iene de 51% de 1985 a 1987.


Na pura lógica dos mecanismos de ajustamento cambiais tudo se passa da seguinte forma: a moeda de um país valoriza-se em face das restantes: as exportações vão diminuir e as importações aumentar gerando um défice em termos de posse das outras moedas. Essa necessidade de moedas externas levará ao aumento do valor destas, ou seja, a desvalorização da primeira ou ainda, a redução dos preços desta economia – como estes se reduzem pode-se exportar mais e importar menos. Vejamos de perto duas situações diferentes. Na primeira o país faz tudo para não desvalorizar e na segunda desvaloriza. O país com moeda sobrevalorizada, com as mesmas unidades monetárias compra agora um adicional de bens no exterior, e por isso reduz a sua poupança, aumenta as suas compras ao exterior reduzindo as internas. A inflação interna reduz-se: dez unidades monetárias passariam a comprar sabonete e meio e não apenas um produzido nos EUA. Os exportadores encontram agora dificuldades em exportar e os produtores nacionais vendem agora menos no mercado interno. O emprego não aumenta, diminui mesmo, não se fazem novos investimentos para produzir para o mercado e pode-se ir vivendo sem dores de cabeça se alguém for emprestando dinheiro para consumir. Ausência de crescimento, o aumento do desemprego e da dívida interna e externa são a consequência. Os custos com a dívida serão cada vez mais elevados e terá de ser feita a alienação de ativos ao exterior. O desemprego forçará à queda dos salários reduzindo-se assim os custos e finalmente, ao fim de algum tempo, os preços internos aproximam-se dos internacionais. No segundo caso, o país pode, pura e simplesmente desvalorizar. Não sendo obrigado a ter um câmbio fixo, pode reduzir as taxas de juro e comprar moeda estrangeira fazendo descer o preço da sua própria moeda. Se for um país dominante até pode acordar com outros a desvalorização da sua moeda.


Como a sociedade não aceita o funcionamento daqueles mecanismos naturais, do primeiro caso, as políticas cambiais fazem sentido. Pensemos em Portugal. Se uma economia não pode alterar a taxa de câmbio, que fazer? Aceitar aquele mecanismo natural? Fazer políticas que reduzam os custos de uma forma semelhante à desvalorização é impossível: a subida do IVA não torna mais barata a produção interna, exercendo mesmo pressão para que seja mais cara. E afinal somos hoje confrontados com a necessidade de fazer políticas equivalentes. Se não puder tomar remédios para a gripe protejo-me do frio e da chuva. Que nos aconteceu? As nossas políticas económicas, desde a segunda metade dos oitenta não respeitaram o facto de não virmos a dispor da liberdade de desvalorizar. Valorizámos a nossa moeda, facilitámos as importações e dificultámos as exportações e através de baixas taxas de juro, não parámos de aumentar o nosso consumo - vivemos como ricos. E agora temos de respeitar os compromissos com os credores e indignamo-nos quando nos apelidam de maus devedores. Alguns de nós chegam mesmo a sugerir que outros paguem o que nós gastámos. No próximo artigo finalizaremos com a possível guerra das moedas.


Nota: A terceira e ultima parte deste artigo será publicada na edição de amanhã, 3 de Novembro. Artigo escrito foi redigido segundo o novo Acordo Ortográfico.
Autor:  João Sousa Andrade. Professor de economia catedrático na Universidade de Coimbra

 

Terceira parte :

In "Jornal de negócios online":

Olhando para o mundo atual vemos uma área económica, a União Europeia, que dá primazia absoluta à estabilidade da sua moeda, e um mundo, dos Estados Unidos à China, onde o valor da moeda é gerido com objetivos de emprego ou de crescimento de reservas internacionais. Olhando para um passado não muito distante (anos 30) teríamos a UE no "bloco ouro", com o seu euro, e as restantes naquilo que foi o "bloco dólar". Quem se afundou na altura? O bloco da estabilidade. Quem viu as suas economias a crescer? O "bloco dólar".


A taxa de câmbio pode ser alterada para reduzir equilíbrios, mas também pode ser manipulada para aumentar as exportações e reduzir as importações criando condições para o crescimento das economias que a manipulam. Estão neste caso as economias que dão primazia ao emprego e as economias que seguem princípios colbertistas. Se para as primeiras o objetivo será o bem-estar, para as segundas já se trata de obter o poder que deriva da acumulação de reservas de moedas internacionais.


Mas podem as economias desvalorizar ou não permitir a valorização das suas moedas? Não serão essas medidas idênticas a medidas protecionistas? E não estão estas proibidas? A Organização Mundial do Comércio zela pelo respeito da liberdade de comércio. Um país não pode proibir as importações de um outro para proteger a sua produção. Foi assim que, com a entrada da China na OMC, a produção têxtil, da Malásia e Indonésia à Itália e Portugal, se viu terrivelmente afetada. Mas se os decisores de política nada podem fazer para "proteger" a produção do seu país, podem provocar a desvalorização da sua moeda e assim baixar o preço das suas exportações e subir o das importações. Esta prática não é protecionista? Obviamente que é! Neste caso a OMC não tem nada a ver com o assunto.


E o FMI? Desde o final dos anos setenta, com o abandono das taxas de câmbio fixas, que vigoraram de 1945 a 1973, o FMI perdeu o seu poder sobre a fixação das taxas de câmbio. Quer isto dizer que os decisores de política não podem proteger a produção do seu país, através de impostos sobre as importações ou subsídios à exportação, mas podem provocar a redução da taxa de câmbio do seu país conduzindo ao mesmo? É essa a realidade desde há alguns anos nas trocas internacionais. A China, com a sua prática colbertista, acumula reservas sem cessar e aumenta o seu poder sobre o sistema internacional de pagamentos. O imperialismo do passado era acompanhado com condições de vida muito superiores às dos restantes países. Não é o caso da China. Incapazes os restantes países de impor salários mais elevados na China, é esta economia que "exporta" a redução dos salários e do nível de vida dos trabalhadores. O novo império nasce, não da supremacia tecnológica, mas da miséria dos seus trabalhadores e de uma prática de não valorização da sua moeda. Esta prática chinesa levou o FMI a aceitar que outros países, por razões embora diferentes, protejam as suas moedas da valorização. Não se trata do FMI passar a ser menos ortodoxo, mas de minimizar os custos da impotência de regulação do sistema internacional de pagamentos. No fundo, é um paliativo. A única voz que por agora se faz ouvir é a do Brasil: é necessário impedir desvalorizações comerciais e financeiras competitivas. Esta posição é interessante, porque respeita à China e aos EUA.


Nota: Este é o último de três artigos do autor publicados pelo Negócios. O texto foi redigido segundo as regras do novo acordo ortográfico.
Autor:  João Sousa Andrade. Professor de economia catedrático na Universidade de Coimbra

domingo, 25 de setembro de 2011

The advent of the global brain

In "Reuters.com":

Get ready for the global brain. That was the grand finale of a presentation on the next generation of the Internet I heard last week from Yuri Milner. G-8 leaders had a preview of Milner’s predictions a few months earlier, when he was among the technology savants invited to brief the world’s most powerful politicians in Deauville, France.

Milner is the technology guru most of us have never heard of. He was an early outside investor in Facebook, sinking $200 million in the company in 2009 for a 1.96 percent stake, a decision that was widely derided as crazy at the time. He was also early to spot the potential of Zynga, the gaming company, and of Groupon, the daily deals site.

His investing savvy propelled Milner this year onto the Forbes Rich List, with an estimated net worth of $1 billion. One reason his is not yet a household name is that he does his tech spotting from Moscow, not a city most of us look to for innovative economic ideas.

 

Ler mais...

Alemanha oculta 5 biliões de dívida

In "Expresso.pt":

Oficialmente, a dívida alemã em 2011 é de 2 biliões de euros. Mas a realidade pode mais do que triplicar este número.

A maior parte das despesas com reformados, doentes e pessoas dependentes na Alemanha não foram incluídas nas contas oficiais, diz o jornal económico alemão "Handelsblatt".

A dívida real alemã pode situar-se nos cerca de 7 biliões de euros, 185% do PIB e não os 83% anunciados, superando em muito os 120% do PIB da dívida italiana.   

Veja mais do Presseurop no sítio do Expresso

Ler mais

EDP já tem eólica flutuante

In "Expresso.pt":

Dentro de poucos dias será rebocada para o alto mar a primeira eólica flutuante do mundo, construída na Lisnave, em Setúbal, para a EDP.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Roubini defende emissão de obrigações conjuntas dos países do euro

In "PUBLICO.PT":

O economista Nouriel Roubini considera que a solução para a actual crise financeira passa pela triplicação das verbas do fundo europeu de resgate e pela emissão conjunta de dívida pública dos membros da zona euro.

353543 As medidas foram defendidas pelo economista italiano, que ficou célebre por ter previsto a crise financeira, numa entrevista ao jornal belga L’Echo, publicada esta terça-feira, à margem de um seminário realizado ontem em Bruxelas sobre o futuro da Europa, no qual participou.


“As duas únicas opções para retirar a zona euro da crise são triplicar a capacidade do Fundo Europeu de Estabilização Financeira (FEEF) e a emissão de eurobonds [obrigações conjuntas]”, afirmou Roubini, defendendo a criação de uma "entidade supra-nacional que estabilize o sistema financeiro". “Caso contrário, a Itália e a Espanha vão cair na mesma situação em que se encontra a Grécia”, acrescentou.


O economista voltou a estimar o risco de recessão das economias avançadas, incluindo as da zona euro, na casa dos 60 por cento. No entanto, ressalvou, as “condições financeiras e os problemas da dívida soberana na Europa tornam ainda mais provável uma recessão económica na região”.


Roubini afirmou ainda que os países que têm possibilidade de lançar planos de estímulos à economia, como a França e a Alemanha, devem “seguir esse caminho, ao invés da contenção orçamental”. “A curto prazo, a austeridade orçamental pesa sobre a economia de um país. Isso inibe o investimento e o consumo”, alertou.
O economista fez ainda eco das recentes afirmações de Christine Lagarde, directora do Fundo Monetário Internacional (FMI), ao dizer que a “recapitalização dos bancos europeus” é “necessária para restaurar a estabilidade económica”.


As declarações de Nouriel Roubini surgem no mesmo dia em que Jean-Claude Trichet e Mario Draghi, actual e futuro presidentes do Banco Central Europeu (BCE), respectivamente, pressionaram os governos nacionais a acelerar o processo de aprovação das medidas negociadas na cimeira de líderes de 21 de Julho.


Nesta reunião ficou acordada uma reforma do FEEF, que será aumentado para 440 mil milhões de euros para poder comprar dívida pública dos países endividados nos mercados secundários, mas que aguarda a ratificação dos estados-membros. Esta solução técnica tem sido provisoriamente levada a cabo pelo BCE nos últimos meses, como forma de baixar os juros de Espanha e Itália.


Uma outra solução pode passar pela emissão de obrigações conjuntas de dívida pública europeia, uma proposta que já foi anunciada pela Comissão Europeia (CE), mas que tem sido contestada por Berlim e Paris. E ontem, a agência de notação de risco de crédito Standard&Poor’s ameaçou dar rating especulativo às eurobonds.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Aumento de impostos e corte na despesa pública no período 2011-2013

In "resistir.info":

Aumento de impostos e corte na despesa pública no período 2011-2013:

RUBRICAS
GOVERNO PS
Troika FMI-BCE-CE/PS/PSD/CDS
Governo PSD/CDS
% PIB
Milhões €
% PIB
Milhões €
% PIB
Milhões €
         OE-2011
Aumento impostos 1,2% 2.048       900
Corte nas despesas 2,2% 3.754        
         PEC 4
Aumento impostos 1,3% 2.226        
2012 0,9% 1.529        
2013 0,4% 697        
Corte nas despesas 2,4% 4.111        
2012 1,6% 2.718        
2013 0,8% 1.393        
         MEMORANDO FMI/BCE/CE/PS/PSD/CDS
Aumento impostos     1,3% 2.310    
2012     0,9% 1.535    
2013     0,4% 775    
Corte nas despesas     3,0% 5.245    
2012     1,7% 2.895    
2013     1,3% 2.350    
         DOCUMENTO DE ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 DO PSD/CDS
Aumento impostos         1,9% 3.246
2012         1,5% 2.549
2013         0,4% 697
Corte nas despesas         5,0% 8.580
2012         3,0% 5.097
2013         2,0% 3.483

Fonte: OE-2011, corte subsidio Natal e aumento IVA sobre gás e electricidade em 2011 do PSD/CDS, Memorando da troika e Documento de Estratégia Orçamental do PSD/CDS

 

Cortes nas despesas sociais e com pessoal e aumento das despesas com aquisição de serviços aprovados no período Janeiro a Julho 2011 em relação a 2010:

RUBRICAS
2010
Milhões €
2011
Milhões €
2011-2010
Milhões €
Variação %
2011-10
Transferências do OE para o SNS 5.074 4.723 -351 -6,9%
Transferências do OE para a Segurança Social (LBSS) 4.507 3.921 -587 -13,0%
Subsídio familiar a crianças e jovens 586 397 -189 -32,2%
Subsidio de desemprego e apoio ao emprego 1.349 1.208 -141 -10,5%
Rendimento Social de Inserção 333 247 -86 -25,8%
Despesas do Estado com remunerações certas e permanentes 4.860 4.541 -319 -6,6%
Despesas do Estado com aquisição de serviços a privados 452 661 209 46,4%

Fonte: Síntese da Execução Orçamental - Agosto 2011 - DGO

sábado, 27 de agosto de 2011

Wall Street: The Speed Traders

In “60 Minutes - CBS News”:

Steve Kroft gets a rare look inside the secretive world of "high-frequency trading," a controversial technique the SEC is scrutinizing in which computers can make thousands of stock trades in less than a second

Read more

Ver:

High-Speed Traders Dive Into Forex Despite Doubts:

Speed, anonymity and liquidity, which is the ability to buy and sell easily, are the top priority for today's currency traders. In the past, a hedge fund might approach a single Wall Street bank to trade $3 million and receive a bid/ask spread, which is the gap between what sellers are offering and buyers are willing to pay, of around 2 or 3 pips, which are tiny increments of currency prices. Banks would then offload their risks by trading with rivals in an interbank electronic trading market.

Now, with direct access to an electronic trading system, the hedge fund can trade $10 million with a dozen banks at once at a spread of one pip. Even better, the hedge fund doesn't need to spend cash setting up trading links with various banks, which often only want to serve bigger investors.

Some observers complain that high-frequency and so-called algorithmic traders make life harder for other participants in the currency markets, especially Wall Street's big banks.

One worry: High-speed trading may make currencies more volatile during times of market stress. Sharp moves can hurt smaller investors who can't react as quickly.

With so many computer-generated trades "programmed in" every day, investors may develop an exaggerated sense of the market's liquidity, which means any sharp withdrawal of liquidity hurts all the more, says a top Wall Street foreign-exchange banker. An analogy is the difference between a normal person and a manic-depressive, this source says. "A normal person gets happy or sad, but a manic depressive person can get suicidal."

A aridez financeira da Europa

In “Jornal de negócios online”:

"Abril é um mês cruel", escreveu T.S. Eliot no início do seu grande poema, "The Waste Land" (Terra Árida).

Mas se Eliot tivesse sido um investidor profissional, que analisasse os mercados financeiros europeus durante os últimos anos, tenho a certeza que a sua escolha teria sido Agosto.

 
Em Agosto de 2007, quando o BNP Paribas decidiu encerrar dois dos seus "hedge funds" expostos ao "subprime" precipitou, nesse Verão, uma crise de liquidez em todos os bancos europeus. Este ano, o grande rival do BNP, Société Générale, foi o centro das atenções.

Em meados de Agosto, as suas acções caíram mais de 14% num só dia, tendo atingido o nível mais baixo em mais de dois anos e meio, devido a rumores de que o "rating" da dívida soberana francesa poderia ser reduzido, o que teria impacto nos bancos franceses.


A evolução da crise colocou, no entanto, os balanços dos bancos europeus no centro das atenções.


Desde o início da crise financeira, muitos bancos da Zona Euro fizeram muito menos progressos para fortalecer o seu capital e liquidez do que os norte-americanos e os britânicos. As disparidades foram expostas no último Relatório de Estabilidade Financeira Global do Fundo Monetário Internacional, publicado em Abril, que contém uma análise impressionante sobre as alterações no capital em acções ordinárias durante os últimos dois anos e o nível de dependência dos bancos ao financiamento dos mercados de crédito. Um membro de um banco central da União Europeia descreveu-a como a "tabela mortal".


O relatório mostra que os bancos norte-americanos aumentaram o seu capital de 5,5% para cerca de 7,5% e diminuíram a sua dependência do financiamento nos mercados de dívida de 30% para 25%. Os bancos britânicos fizeram menos progressos, tendo aumentado o seu capital de 3% para pouco mais de 4% mas reduziram, significativamente, a sua dependência do financiamento nos mercados de dívida, de quase 45%, em 2008, para 35%.


Pelo contrário, os bancos da Zona Euro mantiveram os dois indicadores praticamente inalterados. O seu capital aumentou ligeiramente mas permaneceu inferior ao dos bancos do Reino Unido (e muito abaixo do capital dos bancos norte-americanos) e continuam a depender dos mercados da dívida para quase 45% do seu financiamento total.


É por este motivo que a incerteza sobre a integridade da Zona Euro e o valor da dívida soberana dos seus Estados-membros está a ser tão penalizadora para os bancos. Dadas estas circunstâncias, serão os bancos da Zona Euro capazes de refinanciar as suas dívidas nos mercados? Os países que receberam ajuda externa foram excluídos dos mercados da dívida e dependem quase exclusivamente do Banco Central Europeu. É possível que isto aconteça a bancos de outros países?


Em 2007 e 2008, foram os políticos que sofreram com os pecados dos banqueiros; agora a situação reverteu-se. Talvez exista uma diferença: os pecados dos banqueiros foram pecados de acção, enquanto os pecados dos políticos - os diversos esforços falhados para produzir uma solução à escala do problema - são pecados de omissão. Mas as consequências são igualmente graves.


Sempre achei que a Alemanha acabaria, eventualmente, por reconhecer que era do seu interesse preservar a Zona Euro intacta. Churchill afirmou sobre os americanos: "Podemos sempre contar com eles para fazer o que está certo… assim que todas as alternativas possíveis forem esgotadas". Os alemães já esgotaram quase todas as possibilidades. Se, em breve, não fizerem o que está certo, alguns bancos poderão enfrentar sérias dificuldades e os governos europeus vão ser obrigados, mais uma vez, a injectar dinheiro público nas instituições. Isso será tão impopular como resgatar a Grécia e, possivelmente, muito mais caro.


Howard Davies, antigo presidente da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido, vice-governador do Banco de Inglaterra e director da London School of Economics, é professor na Sciences Po em Paris.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

WSJ: Portugal é um "paraíso" na reacção à austeridade

In “Económico”:

O WSJ lembra os protestos na Grécia e Espanha para escrever que Portugal é, até agora, um "paraíso" na reacção à austeridade.

"Comparativamente a outros países da zona euro que foram apanhados pela crise da dívida, a reacção em Portugal tem sido um paraíso. Já na Grécia os protestos foram violentos e em Espanha milhares de pessoas foram para as ruas exigir uma mudança política", pode ler-se na edição de hoje do The Wall Street Journal (WSJ).


Mas a situação está prestes a mudar porque à medida que os portugueses se vêem confrontados com novas medidas de contenção e cortes orçamentais por parte do Governo, agudiza-se a possibilidade de distúrbios sociais, descreve o WSJ, acrescentando que os sindicatos já estão a arregaçar as mangas. Citando declarações de uma dirigente da CGTP, que também falou ao Diário Económico, o jornal avança que Portugal deverá ser palco de uma greve geral a 1 de Outubro.


No mesmo texto, o WSJ lembra que, desde que Passos Coelho assumiu funções, em Julho, o Executivo de direita já anunciou um aumento acentuado nas taxas de transportes públicos e impôs ainda um imposto especial sobre os rendimentos para 2011.
E "as dificuldades vão apertar mais ainda, com cortes na despesa pública, com os impostos a aumentar ainda mais para equilibrar um corte nas contribuições das empresas para a segurança social e com as mudanças na lei do trabalho que incluem menos direitos para os trabalhadores demitidos", retrata o WSJ, que também escreve que "Portugal não tem outra hipótese senão tomar medidas duras" e que "os portugueses vão sofrer muito, particularmente no próximo ano".

Ver:

Portugal Braces for Austerity Battle

 
View My Stats